Uma nota sobre Manchester a beira mar

blog-uma-nota

Aos ouvidos afiados, ouvi dizer, basta uma nota para se saber a música.

(…)

“pai, não vês que estou queimando?”
recorta Freud na abertura da conclusão de sua obra inaugural.
Transfigurado para a tela,

                o sonho permite a precariedade do filho. Vivo.
                o sonho queima a atenção vinculada à ardência do filho.

Morto.

O sonho denuncia o enlouquecimento da dormência.
O sonho anuncia o irreversível do sono.

                                                      O sonho acorda

e ilumina a cena na qual se sabe
                                                                (é preciso saber)

sobre o escrito de impossível leitura.
                                                                (é preciso saber)

sobre o efeito cruel do pesar dos olhos
                                                                 (é preciso saber)

mesmo sem que se saiba.

A força do silencio do dizer atravessado por nenhum dito nos lembra
que é preciso dormir

                                                  (todos dormem. em algum momento todos dormem)
                                                               para autorizar-se à vida de um filho.

                                                                                    Vivo…
                                                                                           … ou morto

É preciso saber,
mesmo sem que se saiba.