Titulo Autor      





  Poesia Brasileira
Livro da madrugada
Lelita Oliveira Benoit

DADOS TÉCNICOS:
14x19cm | 80 páginas
ISBN: 978-85-7321-400-0

Situação:Venda



Este livro irradia (na esteira de Novalis) a certeza de que poesia e filosofia não se estranham.

Que o real é absolutamente verdadeiro porque é poesia e, para o caso, é lirismo de paixão, que transborda por todos os poros, à flor da escrita.

Aqui, o amor é o fim último da história do universo que uma pessoa é, a bênção estelar que se exerce no corpo; este, o templo mais sagrado e sublime, a morada, o solar onde a amada aguarda o amado para tocar os céus.

Sua autora, doutora em filosofia, pesquisadora de mão-cheia, opera nesta obra a desoras, como poetisa entre a vigília e o sono, na esfera do puro devaneio, banhada pela luz do provisório e do incerto (peleja entre trevas e luz), na garantia de uma realidade tão absoluta que se torna surreal.

A palavra, indecisa entre os seus múltiplos enlaces, revela, nessa ação, a delicada contingência, abrindo-se para os grandes enigmas do lusco-fusco, do intermédio, nesse regime de exceção que o princípio de prazer faz vigorar.

Coisa de mulher, acima de tudo, estes poemas evocam uma tresnoitada Mariana Alcoforado, assim como também a Amiga do cancioneiro medieval galaico-português, cuja alba ou alva é a aurora em que este Livro da Madrugada acorda:

a despedida do inesperado visitante, a sua partida para o retorno aguardado, o afastamento para o pronto regresso... pelo corredor incomensurável do tempo! Aquilo que o sonho gesta e os impulsos incontroláveis das sensações ditam como escrita ou canto solitário (e incluam-se aí medos, passagens secretas, mistérios, compartilhamentos) é a matéria de que esta obra se nutre. Estrelas no alto, conturbado o coração.

E é no centro desta poética que nasce uma árvore. Seus galhos são pontes, ligações perigosas, pontas do amor que trançam uma rede (um poema a outro se remete) irrigando os vasos comunicantes:

galhos frondosos que se enroscam na pele (nesta se enredando), num corpo que é enervações de planta (canais abertos), espraiando por tudo a sua floração, os seus perfumes, as suas raízes, a sua música – a sua semente.

A Primavera é então esse novo e antigo lugar para o amor, brotado das entranhas luminosas da reinventada terra prometida, fruto do “saber que cuida” - idílica lavra de palavras. E, então, como não se lembrar das floradas florbelianas, que se esparramam por todos os cantos daquela Charneca em Flor?

Desse modo se visita o imo do corpo (“a fonte das múltiplas águas”), onde é pura a carne e leve o espírito, onde se acha a “dor fincada qual ágata” e onde o coração é apenas “dançarino”. Uma “inteligência silenciosa e branca” a tudo preside e perpassa com uma leveza que invoca os valores do etéreo e do noturno fugaz, sempre em trânsito: nuvens, voos, águias, folhas, ventos, céus, música, bálsamos, brilhos, brisa, luz, perfume: palavras.

Palavras de intensa experiência amorosa, ainda úmidas do prazer e da alegria do amor, jorradas do ritmo da respiração do repouso ou dos “enlaçamentos sensuais”, à tenuidade da lua ou da extrema escuridão – assim o Livro da Madrugada de Lelita Oliveira Benoit.

Poemas em prosa que anunciam a “mágica do reconhecimento”, o prodígio do “encontrar o que é em mim mesma igual”. Espelho (ainda que à meia luz) que só a absoluta paixão poética consente.

Maria Lúcia Dal Farra

Noticias Relacionadas
Outros Titulos


EDITORA ILUMINURAS - LTDA
Rua Inácio Pereira da Rocha, 389 Cep: 05432-011 - São Paulo - SP Tel/Fax: (11) 3031-6161