Titulo Autor      





  Poesia Brasileira
TRIO PAGÃO
Sérgio Medeiros

DADOS TÉCNICOS:
14x19cmcm | 218 páginas
ISBN: 978-85-7321-576-2

Situação:Lançamento



Neste novo livro, o poeta Sérgio Medeiros reúne três propostas distintas que transitam pela expressão gráfica e pela expressão verbal. Todas, porém, falam de um momento de crise e de renascimento, num universo em exaustão.

Na primeira delas, “Caligrafias de esculturas”,  Medeiros recupera a escrita fantasiosa de Jerônimo Tsawé, um índio xavante que lhe deixou de herança uma folha coberta de linhas sinuosas que são exercícios de caligrafia. Relendo à sua maneira esses traços, o poeta cria totens gráficos que lembram objetos do universo xavante, como lianas, fumaça, linhas de pescar etc., os quais revelam uma nova maneira de comunicação entre o presente  e o passado, por meio de signos que cruzam verticalmente na página, unindo os extremos.

Na segunda proposta, “Enrique Flor, o novo”, é a herança joyciana que é trazida à tona, numa homenagem à arte do músico português Enrique Flor, inventado pelo mestre irlandês no seu romance Ulysses. Ao cultuar a arte vegetal, Flor transita entre países desmatados (Portugal e Irlanda) e busca uma linguagem que possa reativar as antigas árvores abatidas nos dois países. Medeiros, ao retomar no livro esse personagem português, tenta imaginar como soaria no mundo atual a música mítica que Enrique Flor tocou em Dublin no início do século XX. Completa a proposta um poema “desmaterializado”, em que a atuação dos vegetais é diretamente registrada nas páginas do poema, embora, à primeira vista, essas mesmas páginas (folhas) estejam em branco.

Na terceira proposta,”[O] rio perdido”, o poeta fala de uma ninfa andina que envelhece com os rios, tornando-se finalmente uma imagem quase apagada numa rocha sobre um leito seco. Povoado de falas, o rio, ao ser descrito antes do fim, borbulha eloquentemente, trazendo na sua correnteza falas do futuro que fazem uma reflexão sobre a vida na Terra. Feito de sinais gráficos que denotam não apenas borbulhas, mas também bocas, ouvidos etc., o poema é a descrição de um rio que arrasta infinitamente sons, imagens, enigmas...

Sérgio Medeiros tem vários livros de poesia publicados. Ganhou o Prêmio Literário Biblioteca Nacional 2017 na categoria poesia, com a obra A idolatria poética ou a febre de imagens (Iluminuras, 2017).

Noticias Relacionadas
Outros Titulos


EDITORA ILUMINURAS - LTDA
Rua Inácio Pereira da Rocha, 389 Cep: 05432-011 - São Paulo - SP Tel/Fax: (11) 3031-6161