Titulo Autor      


  noticias


quarta-feira, 5 de maio de 2010

Poesia no estranhamento

Quem acompanha o trabalho de Arnaldo Antunes não será surpreendido ao encontrar entre as páginas de “N.D.A.”, novo livro que ele lança hoje, imagens de portas, pés, guarda-chuva, ovos e placas.A poesia que nasce do estranhamento e do inusitado é uma busca constante para ele, que trafega com igual naturalidade pela música, literatura e artes plásticas.Em “N.D.A.” esses talentos se misturam com naturalidade. Arnaldo, como de costume, assina o projeto gráfico do livro, que parte de uma “viagem’’ que faz com a configuração gráfica das palavras, processo fundamental de sua criação. A experiência lúdica já começa pela título. O autor propõe um diálogo entre “N.D.A.” e “Nada de DNA”, seção do novo livro que já constava na antologia “Como É que Chama o Nome Disso”, de 2006, mas só agora foi publicada como parte de um volume inédito. A escolha da foto da capa, um ovo com uma vírgula desenhada na superfície, também resultou de um longo processo de “gestação”. A imagem já o perseguia desde “Ou e” (1983), seu primeiro livro de poesia. “Tem a ver com continuidade, dialoga com a ideia de nada, de DNA.” E a misteriosa e solitária vírgula? “É uma referência à linguagem. Tirada de seu lugar natural, a frase, a vírgula perde sua função e ganha outro sentido.”



EDITORA ILUMINURAS - LTDA
Rua Inácio Pereira da Rocha, 389 Cep: 05432-011 - São Paulo - SP Tel/Fax: (11) 3031-6161