Titulo Autor      


  noticias


terça-feira, 9 de novembro de 2010

Roteiro com neve, museus e anjos

Personagem parte em périplo cultural no qual cogitações íntimas se fundem a reminiscências históricasAlcides VillaçaÉ possível que alguns romancistas vejam como óbice de seus livros a contingência de precisarem de um leitor. Por que a leitura de O Homem que Vive, de Teixeira Coelho, pode provocar essa impressão? Porque há, em seu narrador (colado à consciência do protagonista, Buel), espelhamentos reflexivos que já se aplicam inapelavelmente à matéria narrada, desenvolvendo-a ao mesmo tempo em que a analisam, fragmentam, interpretam, associam, retomam, permeiam de alusões, citações e remissões. Teriam razão aqueles que, como Adorno, já deram por encerrado o ciclo da boas tramas ficcionais, à falta de experiências históricas que promovam tais representações? Ou estão certos aqueles que, como Susan Sontag, conclamam o romancista a não nos subtrair o prazer de totalizar uma história no plano imaginário, convencendo-nos de sua forma possível?Não, leitor, não estou me afastando do romance de que devo tratar: uma de suas propriedades está justamente em investigar o que é o real, o que é o normal, qual o simulacro, qual a representação. As palavras mesmas, longe de qualquer inocência, talvez devam ser consideradas como quer Harold Bloom, em citação do romance: "Só podemos encontrar palavras para aquilo que está morto em nossos corações". Mas sabe o narrador que também se pode escrever para não se perder. Anjo, por exemplo, é uma palavra-chave de O Homem Que Vive, e estabelece surpreendentes conexões entre elementos a princípio avulsos, como um quadro de Delacroix, um ensaio de Benjamin, a figuração da morte, a identificação da mulher amada.O protagonista Buel viaja, visita museus e se hospeda o tempo todo em cidades estrangeiras, inclusive uma transfigurada São Paulo, coberta de neve, ponto de partida, de chegada e referência fixa da narrativa. A viagem essencial, contudo, é a de seus pensamentos e expectativas, é essa a "jornada sentimental" do título do livro; é a sequência de percepções, ora associadas, ora fragmentárias, quase sempre estimuladas pela ação da arte, um dos sinônimos de felicidade. O outro talvez seja o amor, que se corporifica (sem deixar de ser busca) em Valéria.O roteiro básico da narrativa traça-se na sucessão de experiências e impressões despertadas nessas múltiplas cidades, num périplo cultural em que as cogitações íntimas se fundem com reminiscências históricas, em que os motivos e humores pessoais dirigem a significação de tudo o que é visitado por mais este Ulisses moderno, por este Buel, sobre o qual a certa altura afirma o narrador: "Buel não tem certeza de seu papel como protagonista da história. Ou desta história". Trata-se, de fato, de um indivíduo muito culto, tão culto quanto o narrador e mesmo, diria eu, quanto o escritor: Buel é um expert em arte, é leitor de Bloom e Marguerite Duras, de Benjamin e Baudelaire; jamais poderia alegar desconhecer o que significa, por exemplo, pós-moderno. Ocorrem-lhe dezenas de referências eruditas, que lembram aparato bibliográfico de trabalho acadêmico.



EDITORA ILUMINURAS - LTDA
Rua Inácio Pereira da Rocha, 389 Cep: 05432-011 - São Paulo - SP Tel/Fax: (11) 3031-6161