Carrinho

Seu carrinho está vazio.

FERAS, AS

ROBERTO ARLT

  • R$ 45,00

*LIVRO VENDIDO NO ESTADO.

O livro pode conter pequenas manchas em função da ação do tempo.

Não será permitida troca do livro, exceto em caso de defeitos gráficos


Roberto Arlt é, junto com Jorge Luis Borges, o maior narrador argentino da primeira metade deste século. Seus textos, mais de cinquenta anos após sua morte, continuam tão surpreendentes como quando foram escritos.

Pode causar espanto para alguns o fato de compará-lo a Borges (já que sempre foram vistos na Argentina como opostos), mas a afirmação se justifica não somente pela influência que a literatura de Arlt exerce sobre as novas gerações, como também pelo belíssimo conto ("O indigno") que Borges lhe dedicou, recriando um de seus romances mais famosos, El juguete rabioso.

 Com As feras, que reúne alguns dos contos mais famosos de Roberto Arlt, como "Noite terrível", “Escritor fracassado" ou “Ester Primavera", a Iluminuras da início a edição das obras do autor no Brasil.

 

Roberto Arlt ocupa um lugar ímpar na história da literatura argentina; se fosse possível defini-lo pelo avesso, deveria ser considerado como antípoda de Borges. Para além de qualquer oposição — desnecessária, porque os estilos de ambos não poderiam ser mais distintos —, talvez tenha sido seu suplemento dialético, antecipado e propiciatório. E não houve desprezo mútuo, nem influência recíproca, na medida em que o realismo metafísico do primeiro nada tinha a dever à imaginação sofisticada do segundo.

 Os temas abordados por Arlt nos seus contos e romances obrigam ao leitor, mais de uma vez, a engolir em seco e respirar fundo antes de continuar a leitura.

 Deliberadamente sua prosa evita o agrado fácil, pois o intuito não é seduzir, e sim aliciar uma experiência extrema. Seus personagens, verdadeiros párias do destino, são os encarregados de encenar a dimensão trágica da vida cotidiana, definindo sua sorte em cada ato, como joguetes raivosos revoltados contra um Outro absoluto e cruel. Quem são eles?

Homens tragados pela cidade grande, vítimas da burocracia e da estupidez da sua moral, nostálgicos condenados ao vazio do mundo, solitários que validam seu amor próprio a partir do despeito de uma existência banal. Nenhum deles entrará jamais no reino dos céus, e nunca haverá misericórdia suficiente nem redenção garantida.

Muito pelo contrário, a sórdida fauna arltiana, humana apesar de tudo, faz da infâmia um triunfo, se fechando em torno de um silêncio ontológico. E cometem a sublime ingenuidade de rejeitar a sociedade que os rejeita...

Que acontece quando a humilhação é a única sina possível, e a desgraça um fardo irresoluto? Então, só resta inventar, criar, roubar, imaginar, sonhar, mentir e dedurar. Todas elas, vicissitudes que fazem, dos sujeitos em questão, os trôpegos artífices de um circo falido, de uma missa transformada em leilão, de uma operação cirúrgica que virou orgia. Nesta fenomenologia do mal, onde a abjeção sexual ligada ao dinheiro reforça a hierarquia social aquém da luta de classes, as individualidades são cartuchos queimados e tiros no escuro, e mesmo a traição pode ser um bem supremo. O crime, a delação, o castigo, o ridículo: eis aqui o cardápio das tristes paixões que a mestria de Arlt consegue transmutar em literatura de boa qualidade, sem concessões.

Sincero até as últimas consequências, capaz de deixar a direita indignada e a esquerda perplexa, seja bem-vindo à língua brasileira este escritor selvagem, insubornável e feroz.

Oscar Cesarotto

Roberto Arlt nasceu em Buenos Aires em abril de 1900 e morreu nesta mesma cidade em julho de 1942. Sua obra literária compreende quatro romances: El juguete rabioso (1926), Los siete locos (1929), sua continuação Los lanzallamas (1931) e El amor brujo (1932); dois livros de contos: El jorobadito (1933), por nós traduzido com o nome de As feras, e El criador de gorilas (1941); várias peças de teatro (Trescientos millones: El fabricante de fantasmas; Saverio, el cruel; La isla desierta; África. entre outras), e algumas compilações de suas crônicas como Aguasfuertes porteñas e Aguasfuertes españolas, e, postumamente, Nuevas aguasfuertes porteñas, 1960. 

Autor(a) Roberto Arlt
Tradutor(a) Sérgio Molina
Nº de páginas 160
ISBN 978-85-7321-272-3
Formato 14x21cm

Autores

ROBERTO ARLT

Tradutores

Sérgio Molina

Avaliações (0 comentários)

Escreva um comentário

Nota: HTML não suportado.
   Ruim           Bom

Produtos relacionados

Roberto Arlt Sérgio Molina Lit. Estrangeira
  • R$ 45,00
Em até 3x sem juros
Comprar
Iluminuras © 2021 - CNPJ 58.122.318/0001-25