Carrinho

Seu carrinho está vazio.

ROBINSON CRUSOE

DANIEL DEFOE

  • R$ 59,00
  • R$ 44,25

Como um clássico, as aventuras de Robinson Crusoe pertence à categoria daqueles livros que, como disse Ítalo Calvino, nunca são lidos, mas relidos; ou que, constituindo um tesouro inexaurível aos que os leram quando bem jovens, continuam a ser a mesma coisa aos que os leem em idade mais avançada e com mais condições de apreciá-los; ou mesmo livros que mudam, a cada nova perspectiva histórica, como nós outros mudamos, e que por isso mesmo, ao nos caírem nas mãos em épocas sucessivas, fazem com que sua releitura seja um "acontecimento totalmente novo".

Totalmente novo, à época, é o método literário de Daniel Defoe (1660-1731), moldado em seu trabalho jornalístico — atribui-se-lhe, além do título de pai das modernas obras ficcionais, a honra de criador do jornalismo britânico — e marcado justamente pelo uso imaginativo que faz de registros históricos. Produto desse método é, por exemplo, seu Diário do ano da peste, obra-prima de reconstituição histórica que versa sobre a grande peste que grassou em Londres, narrada por um artesão puritano, atento à mão da providência em todas as coisas e fascinado pelos fatos da vida urbana coletiva.

Pois, na verdade, paralelamente aos valores de Defoe — os da classe média puritana a que pertenceu, a exemplo de Robinson Crusoe, personagens às voltas com suas contas e adquirindo direitos de propriedade sobre sua ilha, a principio em revolta contra Deus mas ao fim e ao cabo descobrindo os caminhos da graça divina e do capitalismo — paralelamente a isso, acha-se sua quase obsessão pela narração de simples "fatos", que por sua vez corresponde e a seu ideal artístico de lograr uma prosa impessoal e incolor, num estilo, por assim dizer, "jornalístico", tão desprovido de artifícios quanto possível. Ou seja, um estilo já "moderno", capaz de desconcertar os “intelectuais" da época, os quais, talvez enciumados com a imensa popularidade do livro, empenharam-se em lhe apontar os “erros de geografia e de incoerência" — mas um estilo profundamente admirado, por exemplo, por uma das colunas do modernismo europeu, James Joyce, que lhe soube reconhecer a imensa capacidade em produzir a ilusão de verossimilhança na reconstituição da "vida comum" ou de atributos humanos que não mudam com o passar do tempo.

 Por essa razão é que, a par dos ingredientes de um típico "romance de aventura" — um filho rebelde, tempestades, piratas, escravidão e naufrágio — vai-se nos fixando na memória o registro do trivial e comezinho — uma faca pequena, uma caixinha de tabaco, um cachimbo, um livrinho que se torna um diário — até que a experiência de um homem que se vê na contingencia de ficar isolado numa ilha por muitos anos passa a ser símbolo da experiência de todos os homens — como o Leopold Bloom de Joyce.

E por sermos, no fundo, um pouco como Robinson Crusoe, tentando organizar nossa vida na ilha que é o mundo moderno, é que este "clássico" volta a cumprir mais uma de suas funções, segundo o mesmo Ítalo Calvino: a de ser um livro que se configura como o equivalente do universo e que jamais é indiferente ao leitor, a quem faz com que se defina a si próprio "em relação a esse livro e talvez em contraste com ele".

Alípio Correia de Franca Neto

Autor(a) Daniel Defoe
Tradutor(a) Celso M. Paciornik
Nº de páginas 256
Formato 16x23cm

Autores

DANIEL DEFOE

Tradutores

Celso M. Paciornik

Avaliações (0 comentários)

Escreva um comentário

Nota: HTML não suportado.
   Ruim           Bom
Daniel Defoe Celso M. Paciornik Lit. Estrangeira Lit. Infantojuvenil
  • R$ 44,25
Em até 3x sem juros
Comprar
Iluminuras © 2022 - CNPJ 58.122.318/0001-25