Carrinho

Seu carrinho está vazio.

TRAGÉDIA DA CULTURA, A

GEORG SIMMEL, TEIXEIRA COELHO

  • R$ 42,00

Georg Simmel (1858-1918) continua pouco lido e, mesmo, ignorado — não raro, de modo intencional. O motivo é nítido: desde o início revelou-se um pensador que não seguia os trilhos ideológicos reconhecidos e abençoados, na universidade e fora dela. No entanto, é um pensador fundamental para a compreensão não apenas de seu tempo como do mundo atual.

Em A tragédia da cultura, sem perder tempo com as ideias batidas e superficiais de cultura — derivadas de uma primeira antropologia e em seguida postas a serviço da economia e da ideologia —, mostra como a cultura é o percurso do ser humano rumo a si mesmo num processo de ampliação constante de sua existência. Mas não esconde que a cultura, hoje mais que nunca, aceita uma lógica que a afasta sempre mais daquilo que poderia oferecer...

Georg Simmel pensou fora da caixa, o que torna sem sentido apresentá-lo como filósofo e sociólogo ou coisa análoga: mentes poderosas transgridem fronteiras. Simmel interessava-se por pensar o mundo e a vida, a pessoa e a arte, a cidade mais do que o Estado, a cultura e sua fragmentação já naquele tempo. Antecedeu muita gente boa, como Walter Benjamin em seu interesse pela metrópole; ou como Marshall McLuhan, ao mostrar como forma (“meio”) e conteúdo (a “mensagem”) interagem e determinam-se mutuamente.

E interessou-se por temas que a sociologia oficial da época — e aquela em vigor ainda no século 20 por suas décadas todas e as do 21 — consideravam irrelevantes, secundários ou periféricos em relação à economia, como a aventura, a moda, os sexos, a coqueteria, a personalidade de Deus, a cultura feminina. Para o pensamento dito progressista duro, a questão das mulheres, das etnias, das preferências sexuais seriam resolvidas depois que a revolução tomasse o poder e resolvesse o básico. Quer dizer, nunca. Simmel sempre considerou o sexo, o amor, a religião e arte como os verdadeiros pontos básicos. Mas interessou-se também pelo dinheiro e sobre ele escreveu outra obra notável, Filosofia do dinheiro, que não trata de economia, nem do capitalismo tampouco do mercado, mas do dinheiro, “forma pura da possibilidade das trocas.”

Seu leque de temas pouco comuns à época, antecedendo os estudos sobre a cotidianidade, em linguagem também inovadora, foi um obstáculo para uma carreira na universidade — como aconteceu com Walter Benjamin — mas dele fez um farol para a reflexão contemporânea.

Esta tradução de uma de suas obras centrais — breve, forte e que atinge diretamente o alvo — é publicada com posfácio de Teixeira Coelho — Cultura, uma grandeza negativa — colocando as ideias de Simmel no cenário ocupado por pensadores e temas contemporâneos, o que inclui a entrada em cena da cultura computacional.

Georg Simmel (1858-1918) foi uma corrente de ar fresco sobre o pensamento alemão — o que lhe valeu exclusões mas também o papel de antecessor de Walter Benjamin no estudo da vida moderna em metrópoles. Recusando-se a submergir o indivíduo no meio da massa e do coletivo, colocou em evidência a importância da forma em interação com o conteúdo, ao qual ela não se submete (Marshall McLuhan disse o mesmo, mais tarde). Para Simmel, a vida é um fenômeno complexo e paradoxal definido por conflitos e contradições. 

Teixeira Coelho fundou a Editora Documentos em 1969 e desde então divide seu tempo entre a arte, a cultura e a literatura, em iguais proporções. Depois de dirigir museus e centros de cultura, e organizar exposições no Brasil e no exterior, coordena hoje um grupo de estudos sobre Culturas e Humanidades Computacionais no Instituto de Estudos Avançados da USP.

 

Autor(a) Georg Simmel Teixeira Coelho
Tradutor(a) Teixeira Coelho
Nº de páginas 128
ISBN 978-65-5519-070-0
Formato 16x21 cm
Peso 211 g

Avaliações (0 comentários)

Escreva um comentário

Nota: HTML não suportado.
   Ruim           Bom

Produtos relacionados

Georg Simmel Teixeira Coelho Filosofia Cultura
  • R$ 42,00
Em até 3x sem juros
Comprar
Iluminuras © 2021 - CNPJ 58.122.318/0001-25